Viagens


Bósnia e Herzegovina

Um giro por Sarajevo: conheça Bascarsija – o Oriente na capital da Bósnia

2015-08-28

Se desenharmos uma linha no mapa saindo de Paris e terminando em Istambul, Sarajevo estará no meio do caminho. Ou se subirmos ao Norte da Europa e traçar uma linha reta de Varsóvia, cortando o Mediterrâneo e finalizando na África eis que o território da Bósnia-Herzegovina também estará nas coordenadas. Não se enganem pelo modesto tamanho de Sarajevo: a cidade tem mais história que pensa sua vã filosofia. De epicentro da Primeira Guerra Mundial – com o funesto tiro de Gavrelo Princip em Franz Ferdinand às margens do rio Miljacka, ao sangrento fim da Iugoslávia, Sarajevo foi palco de muitos capítulos dos livros de História, mas não tem a mínima pretensão de ser professoral. A única urgência em Sarajevo é  viver cada dia como se fosse o último – afinal, essa era a dura realidade imposta durante os 1395 dias do cerco imposto pela Sérvia  entre 1992 e 1995. Hoje, desponta como uma característica do Sarajevo way of life.

LATIN BRIDGE SARAJEVO
Latin Bridge: nessa ponte, Gavrelo assassinou Francisco Ferdinando, mudando para sempre a geografia política do mundo. Hoje, conta com um tímido museu de esquina, com uma exposição permanente do período Austro-Húngaro na Bósnia.

Bascarsija é o melhor ponto de partida para começar a entender toda essa pluralidade de Sarajevo. Foi por lá que os Turco-Otomanos começaram as primeiras conquistas na Bósnia, resultando em uma ocupação que durou por mais de quatro séculos e que mudou para sempre a etnografia do país.  Hoje, a população de Sarajevo é dividida entre uma maioria muçulmana chamada de Bosniaks, seguida por Sérvios (ortodoxos) e uma minoria Croata (católicos).

Bascarsija Sarajevo
A pluralidade religiosa de Sarajevo é vista em poucos metros de caminhada por Baščaršija: os minaretes das mesquistas coexistem com as cruzes católicas e ortodoxas. Mais adiante, ainda é possível dar de cara com uma sinagoga.
Bascarsija Sarajevo
Kovaci é o maior cemitério muçulmano de Sarajevo. Nas lápides a se perder de vista, estão os nomes de centenas de soldados mortos durante o Cerco de Sarajevo. Subir até lá garante uma boa vista geral da cidade.

O dia começa cedo em Bascarsija. A primeira chamada para oração dos muezins ecoa ainda antes do sol dar o ar da graça, o que pode ser uma boa razão para levantar da cama mais cedo e aproveitar a região sem as hordas de turistas que começam a pipocar pelas ruelas em horários mais aceitáveis para aqueles que estão de férias. A simbólica fonte Sebilj pode funcionar como um bom abre-alas para conhecer Bascarsija (apesar de também ser um campo minado de pombos atrevidos). Sem a necessidade de um roteiro de “must-sees ”rebuscado, Bascarsija é o tipo de lugar em que o mapa pode ficar guardado na mochila: as atrações, invariavelmente, saltarão aos seus olhos sem muito esforço. Em Bascarsija, procure comer, beber e conversar com os locais. O resto é foto pra mostrar.

Bascarsija Sarajevo
A fonte de Sebilj é o ponto das selfies. Crianças podem ser vistas em gargalhadas com o corpo coberto de pombos enquanto alimentam os animais.
Bascarsija Sarajevo
Sem precisar caminhar demais ou ligar o Google Maps, a mesquista de Gazi Husrev-beg aparece despretenciosamente,

As singularidades do café Bósnio (Turco jamais).

Bascarsija é o lugar mais autêntico para tomar um bom café-bósnio, que pelo meu olhar de não-especialista, é indistinguível em sabor ao café-turco- o que soa uma grande heresia para os locais. A minha ignorância barista me rendeu uma aula de bons minutos com um senhor, que explicou calmamente todas as etapas para um genuíno café-bósnio, tão forte e amargo quanto o primo distante. O que ficou na memória foi somente a etiqueta do açucar: jamais coloque os torrões diretamente na xícara – antes morda um pedaço e coloque debaixo da língua, para ir derretendo suavemente enquanto o café é degustado. Bosniaks podem passar horas a fio tomando café e botando o papo em dia. Definitivamente, a pressa foi riscada do cotidiano de Bascarsija.

 

Bosnian Coffee
Na Turquia, a džezva (recipiente que contém o café) fica na cozinha. Já na Bósnia, ela é sempre presente na bandeja, juntamente com uma xícara, água e alguns torrões de açucar.

Compras sem pechincha.

Vou ser muito sincera. A única coisa que realmente me desapontou em Sarajevo foi a aversão dos comerciantes para negociar. Tudo tem preço demarcado, e como o câmbio não requisita muita matemática (1 euro é igual a 2 marcos), os preços acabam ficando salgados. Minha dica é recorrer à tradição: madrugue nos mercados. O primeiro cliente sempre traz sorte ao proprietário, e se você for esse felizardo, possivelmente lhe será concedido algum desconto. Se houver espaço na mala e fartura na carteira, a oferta de tapeçaria kilim de Sarajevo é atrativa: um tapete made in Bosnia pode custar cerca de 300 euros a menos que um made in Turkey, com a mesma qualidade. Tirando o kilim, os artigos típicos encontrados nas lojinhas de Bascarsija nada mais são que material frívolo importado do Bazaar de Istambul, nada original.

Bascarsija Sarajevo
Os rebuscados Kilims Bósnios são imensamente mais baratos que os Turcos. Quando dobrados, tem a espessura de um livro (os de qualidade, claro).
Bascarsija Sarajevo
Se quiser levar pra casa um jogo de café-bósnio feito em cobre, a rua Kujundziluk é o melhor lugar.
Bascarsija Sarajevo
Não compre gato por lebre. Guie-se pelo som das ferramentas dos artesãos tocando o cobre: esses realmente produzem souvenirs originais.

Procure pelas lojas de antiguidades, essas sim, verdadeiros tesouros. Tinha patins das Olímpiadas de Inverno de Sarajevo em 1984, uniformes de guerra, quinquilharias do passado comunista… Os preços não eram amigáveis, mas colecionadores podem vender até a alma em um lugar desses.

SARAJEVO ANTIQUES
O arsenal das lojas de antiguidade de Baščaršija é garantia de bons achados.

Ćevapčići, Ćevapčići e mais Ćevapčići

Existe um ditado em Sarajevo: você pode ser pobre, mas nunca faminto. A mais pura verdade, considerando as inúmeras opções de comida barata e farta que existem na cidade, principalmente em Baščaršija. O prato típico da Bósnia e Herzegovina são os simples, mas deliciosos Ćevapčići (lê-se CHE-VA-PI-TCHI), pequenos enrolados de carne moída (uma mistura maravilhosa de carne de boi com cordeiro) em forma de linguiça, servidos com pão pita, cebola al naturel e kaymak, uma espécie de cream cheese misturado com sour cream.

Bascarsija Sarajevo
Especialistas dirão que cerveja harmoniza bastante com o Ćevapčići

Como é comida de rua, a ostentação passa longe: com 2 ou 4 euros é possível comer uma farta porção de 5 Ćevapčićis ou 10 Ćevapčićis. Os melhores lugares para comer (e sempre abarrotados de locais), definitivamente são os Zeljo 1 e 2 e o Hodzic, localizado na praça principal de Baščaršija. Não espere por um momento intimista entre seu Ćevapčići e você: a graça é sentar nas mesas e encostar o cotovelo com outros famintos e apreciar como os locais são ágeis em comer sem sujar muito as mãos.

 

 

 

Comentários


facebook instagram vimeo youtube pinterest